7 de mar de 2011

Passeio ao Sol



sinto um calor

ancorado em geometrias

que ruminam silêncio.

vago mouco

e descampado

numa doentia febre.

perdido e sem sombra

pergunto ao non sense

quem és?

pergunto pelo perpétuo

pelo oco,

e minha própria flama

revela uma resposta abissal

sobre o fogo imperecível

e o supor-se vivo,

adorável vertigem.

2 comentários:

Manoel Messias disse...

daí surgiu: http://strambotto.blogspot.com/2011/02/desacerto.html

bjaum!

F. Otavio M. Silva disse...

OI, muito interessante seu blog, to passando aki pq vi q vc é seguidor do blog do meu amigo, Mailson, e por isso quero convidar vc para dá uma olhada no meu blog http://otaviomsilva.blogspot.com/
desde Já agradeço, Forte abraço

PS: Sigo de volta

Postar um comentário