1 de jun de 2010




Sem o saber, um objeto último

Da primeira tarde da era

(que salva a tudo)

E de saia, uma graça!

Num céu vermelho, despetalando

como rosa – o mundo era salvo

por duas rodelas, fritando

anseiando uma pela outra

fazendo pedidos dissolvidos

no quente borbulhar de uma frigideira.



0 comentários:

Postar um comentário