2 de out de 2010

Bordadeira




Enquanto a mulata borda

A vida parece rodar,

rodar,

rodar...

No espiral que ela borda

Na borda do pano, devagar...

Linha vai,

agulha vem...

E a mulata a bordar

o espiral que a rosa não tem.

2 comentários:

inocencio de melo filho-prof.inocencio@gmail.com disse...

musicalidade,criatividade e registro de tempos que doeram tanto...

inocencio

Alcântara. disse...

imagens!

Postar um comentário